Funcação Cimas


Uma força a mais para quem venceu o cancer


Prof. Elias Cima - Psicólogo, com formação em psicologia naturalista

Departamento de pesquisas da Fundação Cima´s

Uma força a mais para quem já venceu o câncer.

Programas de reabilitação para sobreviventes da doença se espalham pelo mundo. Eles previnem efeitos tardios do tratamento e melhoram a qualidade de vida dessas pessoas.
Um novo modelo de atenção às pessoas que venceram o câncer ou convivem com a doença está ganhando espaço na medicina. Nos Estados Unidos, 100 hospitais já implantaram programas destinados aos sobreviventes do câncer. A diferença em relação ao monitoramento padrão feito após o tratamento, em que o paciente retorna ao médico em intervalos de tempo predeterminados, é a criação de equipes treinadas para reconhecer nesses indivíduos alterações relacionadas ao uso de quimioterápicos, à radioterapia ou sequelas deixadas por cirurgias que podem interferir na retomada do cotidiano. São sintomas como colesterol elevado, fraqueza, dificuldade de concentração, dormência em mãos ou pés e perda de equilíbrio.
O Hospital John Hopkins é um dos que aderiram a essa abordagem. “Queremos garantir que os sobreviventes permaneçam tão funcionais quanto possível”, disse à ISTOÉ Vanessa Wasta, diretora de relações públicas da instituição. Os pacientes recebem prescrições de exercício exclusivas, informações de bem-estar e terapias de reabilitação específicas com base em suas necessidades.

SAÚDE
Mariana concluiu o tratamento do câncer há 16 anos, mas faz
controle do colesterol elevado, efeito dos remédios que tomou
Até pouco tempo, essa preocupação com os sobreviventes não existia. O movimento ganhou força quando a médica Julie Silver, da Faculdade de Medicina de Harvard e especialista em medicina de reabilitação, teve câncer de mama e sentiu a carência de apoio para voltar ao cotidiano depois do tratamento. “Tinha três filhos pequenos, estava fora do trabalho e me sentia devastada fisicamente. O médico me disse para descansar, o que equivale a dizer que eu estava sozinha para me curar. Foi muito difícil”, disse à ISTOÉ. A partir da experiência, ela criou um programa para treinar oncologistas, especialistas em reabilitação e outros profissionais para rastrear nos pacientes os comprometimentos associados à toxicidade do tratamento. A assistência mudou a vida da americana Sandra Wade, tratada no Hospital Júpiter, na Flórida. “Minhas necessidades emocionais e físicas estão sendo atendidas”, diz.
Colabora para a expansão desse tipo de programa o aumento do número de sobreviventes. Uma estimativa da Associação Americana do Câncer mostra que em 2022 os Eua terão 18 milhões de pessoas nessa condição. A mesma preocupação começa a se mostrar na Europa. Recentemente, a Sociedade Espanhola de Oncologia Médica (Seom) lançou um manifesto no qual defende a atenção permanente aos sobreviventes. “Cinco por cento da população espanhola será sobrevivente de câncer em 2015. Deve ter suporte para se reabilitar”, disse a ISTOÉ o médico Juan Jesús Cruz, presidente da Seom.
No Brasil, os únicos programas são voltados para pacientes pediátricos. No Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, a médica Mônica Cypriano acompanha o crescimento de ex-pacientes com a ajuda de equipe multidisciplinar. “É preciso ajudar as pessoas a superar os problemas decorrentes do tratamento”, diz. Outro serviço é o Grupo de Estudos Pediátricos Tardios dos Efeitos do Tratamento Oncológico, do Hospital A. C. Camargo, onde são atendidos 1,2 mil pessoas. “Tornou-se essencial acompanhar esses indivíduos na vida adulta para controlar o impacto dos efeitos tardios do tratamento”, diz a médica Cecília da Costa. Uma das sobreviventes acompanhadas é a biomédica Beatriz Nunes, 24 anos, que teve um tumor ósseo e hoje faz pesquisas sobre o câncer. “Tive apoio psicológico e de fisioterapia”, diz. A professora de história Mariana Arantes, 26 anos, também recebe auxílio. “O serviço me ajudou a superar a revolta de ter adoecido e a manter boa qualidade de vida”, conta.
Para sobreviventes adultos brasileiros, o suporte é obtido em grupos de apoio, serviços de psicologia dos hospitais, redes sociais e em portais especializados. Em algumas instituições, especialistas orientam os ex-pacientes a adotar práticas como meditação e ioga. Há também centros como o Instituto Espaço de Vida, criado pela sobrevivente Christine Battistini. “Minha mãe teve mieloma e eu, tumor de mama. Ter suporte depois nos ajudou muito.” 

 A Fundação Cima's não tem fins lucrativos e mantêm um serviço de consultas gratuitas por e-mail: prof@cimas.com.br

Home Page: www.fundacaocimas.com


Fundação Cima's VOLTAR



Últimas da Agenda 17/03/2015 - Brasilia 14/03/2015 - Goiania 15/02/2015 - Rio de Janeiro -RJ
Newsletter
Cadastre-se para receber
nossos informativos.


Últimas da Agenda
Av. Damião Junqueira de Souza, 740
São Lourenço – MG – Cep 37470-000
Tels: (35) 3332-1325 / 3331-2000

Início

Institucional
A Fundação
Projetos
Imprensa
Galeria de Fotos
Manchas Senís
A história das Manchas
A Técnica
Na sua cidade
Imprensa
Depoimentos
Perguntas Frequentes
Galeria de Fotos
Agenda

Prof. Cima
Caminhando para Saúde
Artigos
Palestras
Centro Cultural
Salvador Dali
"Dali" Visto por "Cima"
Boca da Verdade
Cápsula do Tempo
Visitação
Galeria
Trabalhe Conosco

Loja Informações
Contato



Av. Damião Junqueira de Souza, 740 – São Lourenço – MG – Cep 37470-000
Tels: (35) 3332-1325 / 3331-2000

FUNDAÇÃO CIMA'S - Todos os direitos reservados